(79) 3522-2283
Câmara dos Dirigentes Lojistas de Estância - Sergipe

Geral

Demanda por investimento da micro e pequena empresa volta a crescer em julho e atinge 24,20 pontos, mostra SPC Brasil / CNDL

Em um horizonte de 90 dias, 72% dos MPEs de varejo e serviços não pretendem investir em seus negócios e 88% não têm intenção de contratar crédito.

23/08/16 08h59
Site SPC BRASIL

Dados do Indicador de Propensão a Investir MPE do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostram que a intenção de fazer investimentos por parte dos micro e pequenos empresários de varejo e serviços subiu de 21,37 pontos em junho para 24,20 pontos em julho, uma alta de 13,2%. Apesar da alta mensal, o resultado ficou abaixo do observado em maio (25,22 pontos) e do pico da série histórica (32,06 em maio de 2015). Na comparação com julho do ano anterior, houve uma discreta melhora, quando o indicador marcou 22,54 pontos. Quanto mais próximo de 100, maior a propensão de investir; quanto mais próximo de zero, menor a propensão.

Para o presidente da CNDL, Honório Pinheiro, o resultado mostra que os empresários ainda estão receosos e, ainda que a confiança tenha tido uma melhora, isso não encorajou o investimento nos negócios. “Alguns indicadores macroeconômicos já dão mostras de que a pior fase da crise pode ter ficado para trás, mas a plena recuperação das condições econômicas e sociais ainda será lenta e gradual”, analisa. “Já vemos melhoras, mas os empresários ainda vão demorar a se sentir confiantes o suficiente para tomar crédito, fazer investimentos e comprometer o orçamento da sua empresa com dívidas de longo prazo à espera de um retorno no futuro”.

Sem título
Em termos percentuais, 72,5% dos micro e pequenos empresários de varejo e serviços não pretendem investir nos próximos três meses, sendo a principal razão a falta de confiança diante da crise (51,3%). Outros 29,0% dizem não ver necessidade de investir e 12,3% afirmam ter feito investimentos recentes. “Além do impacto da crise econômica, o aumento do custo do capital torna os empresários mais cautelosos diante da possibilidade de expandir seus negócios com investimentos”, explica o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro.

Entre a parcela minoritária que pretende investir nos próximos 90 dias (20,9%), os investimentos prioritários serão a reforma ou ampliação da empresa (26,9%) a ampliação de estoque (25,7%) e investimentos em comunicação e propaganda (23,4%). Entre esses empresários, 72,5% relatam que o objetivo dos investimentos é aumentar as vendas e outros 8,4% dizem que é a adaptação à tecnologia. A principal fonte de recursos para esses empresários será o capital próprio, retirado da poupança e de investimentos financeiros (75,4%).

88% não pretendem tomar crédito nos próximos 90 dias

Outro reflexo da atual conjuntura econômica é a baixa procura por crédito dos micro e pequenos empresários. Em julho, o Indicador de Demanda por Crédito MPE de Varejo e Serviços registrou um pequeno avanço na comparação com o mês anterior, passando de 9,51 para 10,78 pontos. Na comparação com julho de 2015, quando marcara 10,75 pontos, o indicador ficou praticamente estável.

De acordo com o levantamento, apenas 5,6% dos MPEs possuem a intenção de contrair crédito para seus negócios no horizonte de 90 dias. Em sentido inverso, 88,1% declararam não ter essa intenção.

Quando indagados sobre a negativa, 48,5% disseram que conseguem manter suas empresas com recursos próprios, sendo desnecessário buscar outras fontes: 31,9% dizem que não pretendem contratar recursos de terceiros agora. As altas taxas de juros são outro fator de impedimento, mencionadas por 11,2% dos que não pretendem tomar crédito.

Para os que avaliam estar difícil tomar crédito no mercado (33,3%), as taxas consideradas elevadas são o fator mais citado (43,2%). Em seguida, aparece o excesso de burocracia (30,1%) e a exigência de um faturamento mínimo acima do que a empresa realmente fatura (12,0%). Já para os que consideram ser fácil contratar crédito (20,9%), o bom relacionamento com o banco é a principal razão, citado por 44,9%. Estar com a documentação em dia (21,6%), ter um bom tempo de existência da empresa (9,6%) e estar com as contas em dia (9,0%) também são fatores que ajudam.

“Burocracia e juros altos são um obstáculo à contratação de crédito e consequentemente para o investimento, o que acaba por impactar o crescimento econômico do país”, afirma Pellizzaro. Para mais de um terço dos entrevistados (31,9%), a modalidade de crédito mais difícil de ser contratada é o empréstimo em instituições financeiras. Os financiamentos nessas instituições são citados por 15,1% e o crédito junto a fornecedores foi citado por 10,9%.

Metodologia

Os Indicadores de Demanda por Crédito e de Propensão para investimentos do Micro e Pequeno Empresário calculados pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) levam em consideração 800 empreendimentos com até 49 funcionários, nas 27 unidades da federação, incluindo capitais e interior. As micro e pequenas empresas representam 39% e 35% do universo de empresas brasileiras nos segmentos de comércio e serviços, respectivamente.